sábado, 3 de Abril de 2010

Super Sexta-Feira Santa

Mantendo a tradição dos últimos anos, sexta-feira santa é dia de super pedalada.

Este ano o objectivo era efectuarmos uma ligação em BTT nos seguintes moldes: Zouparria » Buçaco » Zouparria. A idealização deste percurso teve a inestimável colaboração do nosso amigo Nini de Anadia. Cumprindo o programa das festas as nossas pernas acumulavam mais de 100 quilómetros de BTT.
Estando o objectivo devidamente delineado era hora que efectuar o chamamento das tropas e deixá-las de sobre aviso para o que as reservava. Com poucas confirmações de presença até ao fim do dia anterior, pensávamos que iríamos ter um pequeno quarteto para tentar cumprir o objectivo programado. Não podíamos estar mais enganados. Tivemos uma agradável surpresa.
À hora marcada juntou-se um grupo de oito amigos para um belíssimo dia de BTT e para ultrapassar este objectivo. E quem forma eles? Perguntam vocês. O Mateus, o Filipe, os manos Trigo(João e Ricardo), o Paulo, o Vruunno, o Nuno, e o Ricardo(Canalha).
Antes das 9h estávamos a sair da Zouparria em direcção a S.Marcos para darmos início ao nosso dia de BTT.
Nos primeiros quilómetros passámos por locais como: Vale das Rosas, Andorinha, e descemos para Portunhos. De Portunhos seguimos caminho caminho até à Pena onde percorremos uns single tracks até à zona da Povoa da Lomba. Na Povoa da Lomba efectuámos um pequeno desvio até Cantanhede para o Filipe "calçar" a sua Massai. O travão da frente ficou sem pastilhas e era necessário encontrar uma loja para comprar umas pastilhas para os v-brake. Não poderíamos ter mais sorte. Uma das lojas que conhecemos em Cantanhede estava aberta e o problema foi rapidamente solucionado.
Até esta fase da manhã tínhamos percorrido caminhos conhecidos de alguns de nós, contudo as regras de jogo iam mudar. A partir desta fase íamos percorrer novos caminhos para todos. O caminho inicial teve uma passagem na zona das vinhas da Bairrada. Ourentã, Lapa, Povoa do Bispo até Vilarinho do Bairro. Pelo caminho fomos sempre encontrando muita lama, no entanto nunca nos esmoreceu e a boa disposição foi sempre reinando. O Vruunno e o Paulo foram alguns dos mais animados com as suas passagens diabólicas pelas piscinas fomos encontrando pelo caminho.Até Vilarinho do Bairro o caminho foi realizado sem grandes dificuldades. Após a nossa passagem por Vilarinho do Bairro seguimos em direcção à Horta.
Com o adiantar da hora, já passava das 12h, a malta com fome, e as sandes de leitão a chamarem por nós, resolvemos alterar um pouco o programa.
Como queríamos ir almoçar a um restaurante na Mealhada já nosso conhecido e no qual fomos muito bem recebidos, quisemos lá voltar. E voltámos! Mas não sem antes inventarmos com o nosso amigo GPS. Demos-lhe ordem de seguir por caminhos de terra até à Mealhada e a coisa acabou por não correr muito mal. Lima aresta daqui, lima aresta dali e lá nos levou ao cruzamento do IC2 para o Aguim. Daqui à Mealhada era um pequeno pulo e finalmente repasto. Já recompostos com umas sandes de leitão, uma cervejas pretas, duas garrafas de frisante gelado, e mais uma vez muito bem recebidos(não me lembro do nome do restaurante) era hora de voltar ao selim. Próxima paragem, Anadia casa do nosso amigo Nini.
Da Mealhada para Anadia, seguimos via o Caminho de Santiago Português até Anadia. Já em casa do Nini, voltámos a dar ao dente e molhámos o bico. Um folar da Páscoa acompanhado com espumante, para nos dar energia até ao Luso.
O percurso desde Anadia ao Luso foi via alcatrão, uma vez que o caminho delineado estava impraticável.
No Luso, uma breve paragem para bebericarmos na fonte, e seguimos para o Buçaco, logo ali ao lado, onde entrámos no trajecto de regresso à Zouparria.
Esta parte do percurso foi fantástica. Foi um constante sobe e desce, single tracks, e zonas de pinhal bem bonitas.
O percurso de regresso iniciava foi um pouco à frente da entrada principal do Buçaco. Descemos a todo o gás até ao Pego, passámos por Santa Cristina, Povoa do Loureiro e na Pampilhosa do Botão deleitámo-nos com uns single tracks fabulosos até bem próximo da Marmeleira, sempre em sobe e desce.
Da Marmeleira, continua o sobe e desce até Santa Luzia, passagem por Grada, e Vil de Matos onde percorremos mais uns single tracks e seguimos via ribeiro abaixo até apanharmos caminho em direcção a Portunhos.Até à zona de Portunhos o caminho foi feito sem grandes dificuldades e em zonas de pinhal.
As horas foram passando, o conta-quilómetros somando e o nosso objectivo estava muito próximo de ser cumprido.
Com a chegada à zona de Portunhos e devido ao adiantar da hora, resolvemos fazer o regresso à Zouparria via alcatrão. Passámos por Ançã, onde fizemos uma rápida paragem para comprar uns bolos e uns cornos de Ançã(passo a redundância) e seguimos caminho via Cioga do Campo, e... foguetes, jubilo, alegria... À entrada de S. Silvestre o objectivo era cumprido. O conta-quilómetros marcava os três dígitos. Os 100 quilómetros estavam feitos. Próxima e última paragem Associação da Zouparria para bebermos umas minis e comermos um cachorro quente.
Agora é o momento de recordar o belo dia que tivemos. Momento, de transmitirmos as experiências que vivemos, de recordar as palhaçadas deste ou daquele amigo naquele sitio "assim ou assado". Momento, de recordar aquele single track na encosta "xpto". Enfim, momento de pura nostalgia.

Em 2011 temos mais uma Super Sexta-Feira Santa!

Boas pedaladas, vemo-nos nos trilhos.

0 comments: